DESENVOLVIMENTO HUMANO E SUSTENTABILIDADE: AS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Clarissa Bueno Wandscheer, Fernando Borges Mânica

Resumo


O relacionamento e a divisão de encargos entre Estado, sociedade e mercado na gestão do meio ambiente têm sofrido intensas transformações nos últimos anos. Um dos maiores desafios assumidos pelos Municípios refere-se à implantação de modelos sustentáveis da coleta e destinação de resíduos sólidos urbanos, com vistas à garantia do desenvolvimento humano. O encadeamento legislativo atual trouxe um novo arcabouço legal sobre o tema no Brasil, tanto nas questões ambientais, quanto nos modelos contratuais de relacionamento público-privado. Para compreender esse cenário, bem como as hipóteses de gestão pública dos serviços de coleta e destinação de resíduos sólidos urbanos, são apresentados os conceitos doutrinários sobre sustentabilidade e Política Nacional de Resíduos Sólidos e outros instrumentos normativos que preveem atuação sustentável. Depois é apresentada a relação do desenvolvimento humano com o meio ambiente, uma vez que um ambiente saudável e equilibrado constitui um elemento de qualidade na vida das pessoas. Por fim, são apresentadas as características das parcerias público-privadas (PPPs), com análise das vantagens e riscos da PPPs para a coleta e disposição final de resíduos urbanos, a partir de experiências nacionais e internacionais. Para esse escopo, foi utilizada pesquisa bibliográfica e documental, na medida em que há uma preocupação em identificar referenciais teóricos em livros jurídicos e artigos científicos da área. Aplicou-se o método indutivo, pois se pretende verificar a partir dos estudos de caso apresentados se há viabilidade e vantagens no tratamento de resíduos por meio de PPPs no Brasil e sua adequação com a Política Nacional de Resíduos Sólidos e, se tal opção garante a sustentabilidade e o desenvolvimento humano.


Texto completo:

PDF

Referências


ALIB, Mansoor; AHMEDA, Shafiul Azam. Partnerships for solid waste management in developing countries: linking theories to realities. Habitat International 28, 2004. P.462–465.

BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio. O conceito de normas gerais no direito constitucional brasileiro. Interesse público – IP. Belo Horizonte, ano 13, n.66. mar./abr. 2011.

BARCELLAR FILHO, Romeu Felipe. Concessões, permissões e autorizações. In:___. Reflexões sobre Direito Administrativo. Belo Horizonte: Fórum, 2009.

BRUNDTLAND, Gro Harlem (org.). Nosso Futuro Comum. 2ª edição. Rio de Janeiro: FGV, 1991.

CALDAS, Roberto. Parcerias Público-Privadas (PPPs) e meio ambiente. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito (RECHTD). 3(1): 65-74 janeiro-junho 2011.

CURITIBA. Curitiba anuncia novo modelo de coleta, transporte e tratamento de resíduos. 23/06/2016. Disponível em: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/curitiba-anuncia-novo-modelo-de-coleta-transporte-e-tratamento-de-residuos/40048. Acesso em: 15 dez 2016.

CURITIBA. Novo sistema de coleta de resíduos recebe sugestões até 14 de setembro. 30 ago 2016. Disponível em: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/novo-sistema-de-coleta-de-residuos-recebe-sugestoes-ate-14-de-setembro/40316. Acesso em 15 dez 2016.

CURITIBA. Curitiba instala primeira Estação de Sustentabilidade para entrega voluntária de resíduos. 25/11/2014. Disponível em: http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/curitiba-instala-primeira-estacao-de-sustentabilidade-para-entrega-voluntaria-de-residuos/34886. Acesso: 19 nov 2016.

FREITAS, Juarez. Sustentabilidade: direito ao futuro. 2. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

GRAU, Eros Roberto. A ordem econômica na constituição de 1988. 11.ed. São Paulo: Malheiros, 2006.

GUIMARÃES, Fernando Vernalha; MOREIRA, Egon Bockmann. Licitação Pública: A Lei Geral de Licitações e o Regime Diferenciado de Contratações. 2. ed. São Paulo: Malheiros, 2015.

INTERNATIONAL FINANCE CORPORATION – WORLD BANK GROUP. Gestão de resíduos sólidos de Curitiba – Brochura do Projeto. Curitiba: BNDS, 2015. (https://www.ifc.org/wps/wcm/connect/86723b0049e2748d8a64abe54d141794/LAC+Brochura+Residuos+Solidos+de+Curitiba.pdf?MOD=AJPERES).

KANG, Thomas H. Justiça e Desenvolvimento no pensamento de Amartya Sen. Revista de Economia Política, vol 31, nº 3 (123), pp.352-369, julho-setembro 2011.

M. MASSOUD; M. EL-FADEL. Public–Private Partnerships for Solid Waste Management Services. Environmental Management Vol. 30, No. 5, 2002. P. 621–630.

MAGALHÃES, Ana G.; LEONEL, Camyla; FERREIRA, Daniel; OUTROS. Programa de Educação em Saúde. Divinópolis: UFSJ, FAPEMIG, PREFEITURA DIVINÓPOLIS, PET – SAÚDE. Disponível em: http://www.ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/lains/Folheto4.pdf. Acesso em: 14nov.2016.

MARQUES, Luiz. Capitalismo e o colapso ambiental. Editora Unicamp, 2015.

MEDAUAR, Odete. Direito Administrativo Moderno. 19. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 23. ed. São Paulo: Malheiros, 2006.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA). Plano Nacional sobre Mudança do Clima. Disponível em: http://www.mma.gov.br/clima/politica-nacional-sobre-mudanca-do-clima/plano-nacional-sobre-mudanca-do-clima. Acesso em: 19 nov 2016.

MOREIRA, Egon Bockmann. Breves notas sobre a parte geral da lei das Parcerias Público-Privadas. Revista dos Tribunais, RT 848/11, jun. 2006.

PINHEIRO, Maurício Mota Saboya. As Liberdades Humanas Como Bases Do Desenvolvimento: Uma Análise Conceitual Da Abordagem Das Capacidades Humanas De Amartya Sem. (texto para discussão). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA. Brasília: Rio de Janeiro: IPEA. 2012.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO – PNUD. Relatório de Desenvolvimento Humano 2010 (A verdadeira riqueza das Nações: vias para o desenvolvimento humano). Nova Iorque: PNUD. 2010 (ISBN: 9780230284456 90101).

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO – PNUD. Transformando Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Traduzido do inglês pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) e revisado pela Coordenadoria-Geral de Desenvolvimento Sustentável (CGDES) do Ministério das Relações Exteriores do Brasil. Última edição em 11 de fevereiro de 2016. Disponível em: http://www.undp.org/content/dam/brazil/docs/agenda2030/undp-br-Agenda2030-completo-pt-br-2016.pdf. Acesso: 12nov.2016.

SACHS, Ignacy. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável. Organização Paula Yone Stroh. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SARTORI, S.; LATRÔNICO. F.; CAMPOS, L. M. S.. Sustentabilidade e desenvolvimento sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Revista Ambiente & Sociedade. São Paulo, V. XVII, n. 1, p. 1-22, jan.-mar. 2014.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. Tradução Laura Teixeira Motta; revisão Ricardo Doniselli Mendes. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SEN, Amartya; KLIKSBERG, Bernardo. As pessoas em primeiro lugar: a ética do desenvolvimento e os problemas do mundo globalizado. Tradução Bernardo Ajzemberg, Carlos Eduardo Lins da Silva. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SUNDFELD, Carlos Ari. Parcerias Público-Privadas. São Paulo: SBDP/Direito GV/Malheiros, 2005.

THOMÉ, Romeu; RAMOS, Vinicius Diniz e Almeida. Gestão Integrada de resíduos sólidos por meio das parcerias público privadas: instrumento de garantia do direito fundamental ao meio ambiente equilibrado. RDA – Revista de Direito Administrativo. Rio de Janeiro, v. 271, p. 251 – 279, jan./abr. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN eletrônico: 2359-6880      ISSN impresso: 1677-809X

LIVRE    DIADORIM 

LIVRE!SUMARIOS.ORG